Remanescente do bando de Valdetário Carneiro foi morto na tarde de Ontem

|

A Tribuna do Norte, informa que a “guerra” entre membros de famílias da região Oeste do Rio Grande do Norte pode ter motivado mais um homicídio, mas desta vez o cenário foi diferente: Presídio Estadual de Alcaçuz. Antônio Maia dos Santos, conhecido como “Mainha” ou “Baianinho”, foi morto a tiros por Humberto Alves Saldanha, o “Galego de Antenor”, quinta-feira, 28 de julho, por volta das 14h30.
'Baianinho' quando foi preso

Antônio Maia foi morto com um tiro de revólver 38, cuja bala entrou de um lado, à altura da axila e saiu do outro lado do tronco superior, segundo informou o diretor da penitenciária, Wellington Marques.

O assassinato de “Mainha” ocorreu na saída de uma conversa que ele teve com o seu advogado Alexandre Thiago da Costa, quando foi surpreendido pelo presidiário Humberto Alves Saldanha, o “Galego de Antenor”, de quem era inimigo por causa da rixa entre as famílias Carneiro x Veras/Saldanha, da Região Oeste do Rio Grande do Norte.

Wellinton Marques confirmou que alguém devia ter avisado a “Galego de Antenor” sobre a volta da vítima para o pavilhão 2, justamente na hora em que Humberto Saldanha era encaminhado para se juntar ao grupo de presidiários que iam ser vacinados contra hepatite “C”, no setor médico da penitenciária de Alcaçuz. O diretor do presídio disse que a arma usada no crime foi encaminhada para a Delegacia de Nísia Floresta, onde será feito o inquérito criminal.

Galego de Antenor - FOTO: Ilmo Gomes
Marques informou que “Baianinho” sofreu hemorragia interna e morreu no pátio interno do presídio, há uns 20 metros do segundo portão do saguão de entrada da diretoria. O corpo foi recolhido para o Itep por uma viatura policial. Depois de matar Antônio Maia, Humberto Alves ainda tentou matar um outro preso, Alexandre Thiago da Costa, o “Xandinho”, que também era ligado ao mesmo grupo de Baianinho. Ele atirou duas vezes contra Xandinho, mas não acertou nenhum dos disparos e acabou sendo alvejado por agentes penitenciários estaduais, que interviram e evitaram que outras mortes ocorressem. Ferido, Humberto foi socorrido para o pronto-socorro Clóvis Sarinho, anexo do Hospital Walfredo Gurgel.

De acordo com o coordenador da Administração Penitenciária do Estado, José Olímpio da Silva, os dois são oriundos do Alto Oeste potiguar e o motivo para a execução ainda não está esclarecido.

De acordo com Olímpio, o outro detento, conhecido como Xandinho, teria sido alvo do ataque de “Galego de Antenor”, mas não foi ferido. “Vamos instaurar uma sindicância e investigar como mais uma arma entrou aqui no presídio”, garantiu Olímpio.

Rixas familiares podem ser o motivo


Antônio Maia Santos é apontado como ex-integrante do bando do assaltante josé Valdetário Benevides, morto em 2003 durante confronto com a polícia. Ele cumpria pena de 29 anos por homicídio e tentativa de homicídio.

Considerado um dos bandidos mais perigosos do Estado, “Baianinho” foi condenado em 2008 pelo homicídio de um panificador entre as cidades de Campo Grande e Caraúbas, no Alto Oeste potiguar. Ele, inclusive, chegou a ser preso com armas que pertenciam a Valdetário Carneiro, como pistolas 9mm, Ponto 40 e um fuzil 556. O homicídio pelo que foi condenado “Baianinho” teria sido motivado por briga entre sua família e a da vítima.

“Galego de Antenor” também tem histórico de violência entre famílias fora do presídio. Ele, que está condenado por assaltos e homicídios, já estava preso quando o pai, Antenor Saldanha Bezerra, foi assassinado em fevereiro deste ano junto com a filha, Francisca Joaquina Alves, em Janduís. A família de “Galego de Antenor” tinha rixas com outras na região de Janduís.

Em menos de três meses, essa também foi a terceira morte dentro do presídio de Alcaçuz, onde, no dia 3 de maio, o detento Magno Boaventura, 33 anos, foi assassinado com características acentuadas de tortura e brutalidade.

O crime se deu em meio a uma rebelião iniciada após tentativa de fuga frustrada por policiais militares, responsáveis pela guarda externa do presídio. Com o motim, outros presos foram ao encontro de Magno Boaventura e cortaram sua cabeça e o peito, espalhando os órgãos do detento em celas e em colchões que estavam em chamas.

Fonte: Sidney Silva

3 comentários:

Anônimo disse...

onde vamos para com tanta violencia cada presindente que entra e como sempre so promesas ae o cidadao começa a pensa em coizas erradas por falta de opotonidades no mecado de trabalho e uma pena ouve essas noticias fico envegonhado do meu pais.

Anônimo disse...

vc acha isso violento,violento eo q esse vagabundo ta prometendo fazer quando sair da cadeia.fontes dizem q ele diz"quando eu sair daqui urubu vai entortar o bico de comer carniça no serido."ele eo irmao tamben altamente perigoso compartilham do mesmo sentimento; pra quen nao sabe seu irmao é barto galeno saldanha,que esta no presidio de caraubas.e num vai demorar preles serem soltos nao viu qualquer vacilo e é fuga.

Anônimo disse...

Vai tio descançar que deus é +++
Quem fez isso vai pagar muito caro por issoo
!!!!!!!

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!

 

No ar desde ©2006 Blog do Gustavo Nóbrega | Extrutura atual / Template Blue desenvolvido por TNB modificado por Net Serviços